Skip to main content

Intelectuais, uma vírgula

Ah, nossos intelectuais... Que turminha tinhosa. Não perdem a chance de se imiscuírem em qualquer debate, sobre qualquer assunto, sendo que em 99% dos casos defendem ideias datadas, estapafúrdias e/ou de interesse próprio (mas não prescindindo do disfarce altruísta).

Recentemente, num ato em suporte ao juiz Bretas (e, claramente, expondo o lamentável Gilmar Mendes) parecem ter tido o raro 1% de acerto. Será?

Quase. Bateu na trave. O cartaz que foi utilizado para o “momento Kodak” do evento continha um erro grosseiro de português. “Não se separa o sujeito do predicado com vírgula”, repetem ad nauseum os professores de Língua Portuguesa. Mas nossos intelectuais cravaram lá: “O Rio, está com você”. Respondendo na mesma moeda: “Este autor, lamenta que vocês tenham tanto espaço na mídia”.



Não foi só em Língua Portuguesa que nossa “elite intelectual” levou bomba na escola. Não aprenderam nada em matemática. Qualquer criança de seis anos que já saiba somar e diminuir consegue antever que aquele que gasta mais do que arrecada vai bater no muro alguma hora. Mas nossos atores e cantores não se furtam a sustentar que a reforma da previdência é maligna. Os backing vocals desta cansada interpretação ficam a cargo de Chico Alencar, Molon e afins, cuja cara de pau é merecedora de Oscar: “Não mexam nos meus direitos”, costuma dizer o cartaz que carregam para o Congresso. Nobres deputados, é justamente nos vossos direitos (leia-se: regalias) que temos que mexer!

Mas, certamente, o pior desempenho desta trupe foi em História. Não entenderam nada. “O Capital” virou jornal velho 10 anos após sua publicação, pois a Revolução Industrial melhorou a vida das famílias. Os ídolos da esquerda – Chávez, Guevara, Fidel, Pol Pot, Lênin, Mao Tsé-Tung –  foram, na verdade, impiedosos assassinos contrários a qualquer forma de democracia. Berlim foi reunificada pela falência do modelo socialista, que – com trocadilho, e como previra a criança de seis anos – bateu no muro.

Nossos pensadores também não aprenderam quem foram Mussolini, Hitler e outros tantos. Não conseguem ver que as ideias que hoje defendem deixariam Il Duce orgulhoso e – pior – saem por aí bradando “fascista!” a qualquer um que se oponha à pauta dos partidos de esquerda. Devem ter perdido a aula onde o professor explanou que o Nazismo era uma filosofia socialista que denunciava o individualismo e o materialismo, enaltecendo o estado como grande protagonista. Partido Nacional Socialista, National Sozialist, Nazi. Captaram agora? So-ci-a-lis-ta.

Será que estavam à toa na vida este tempo todo?

Há muito já passou da hora de mídia e público entenderem que não basta tocar bem um instrumento, compor uma boa canção, subir num palco ou interpretar um traficante em série da Netflix para se qualificar como intelectual. Parafraseando Dilma Rousseff – que não canta, não compõe e não atua, mas já pegou em armas clandestinamente e, portanto, é intelectual qualificada – é “estarrecedor” que se aceite que qualquer artista possa ter uma opinião valiosa sobre qualquer assunto concernente à sociedade. Ressalva: fazendo justiça a Dilma, ninguém profere discursos tão memoráveis quanto os seus – é, de fato, uma artista.

Ser cantor não qualifica o sujeito a opinar sobre maioridade penal com mais propriedade que um engenheiro, um marceneiro ou um veterinário. Não é mesmo, Chico? Ser atriz não dá à cidadã a virtude da clarividência sobre relações trabalhistas ou tributação. A pessoa que se empenha no estudo de técnicas de interpretação ou impostação vocal certamente não se especializa em cálculo atuarial (dica para os intelectuais: aqui, fala-se de previdência, ok?).

Portanto, intelectuais: se não têm nada de útil a dizer, calem-se. O povo de bem do Brasil já cansou de vinho tinto. 



Comments

Popular posts from this blog

Pretérito mais-que-imperfeito

O ex-ministro Pedro Malan certa vez disse que, no Brasil, até o passado é incerto. Não é 100% verdade. Há a certeza de que o passado sempre muda para pior, trazendo consequências que garantem que o Brasil nunca será o país do futuro.
A recente MP 806 que altera a tributação de fundos exclusivos é a perfeita demonstração disso.
Há cerca de 15 ou 20 anos, a Receita criou o “come cotas”. Parece nome de videogame vintage mas não é – tratava-se de um sistema para antecipar a cobrança de imposto de renda devido por cotistas de fundos de investimento.
Antes do nosso Pac-man fiscal, os cotistas eram tributados somente no resgate. Ou seja, um investidor pessoa-física que detivesse um título de 5 anos seria taxado apenas no vencimento do papel, ao passo que o cotista de um fundo de investimento que detivesse títulos de 1 ano e reinvestisse o capital todo ano só seria taxado no resgate de suas cotas, quem sabe ao final de 10 anos. Dito de outra forma, um fundo com estratégia de investimento de curt…

Grapiche

A determinação do prefeito de São Paulo, João Dória, em estabelecer uma sensação de ordem é louvável. A política “no broken window” de Rudolph Giuliani foi uma das alavancas para a transformação de NY em uma cidade segura. No caso de São Paulo, o primeiro alvo foi repintar os muros pichados e grafitados em locais onde tal prática não estava autorizada. Nada mau, certo?
Errado. Começa o mimimi. “Grafite é arte”, “pichação é uma maneira democrática de o povo se manifestar”, e por aí vai. Sério mesmo que a ordem pública (condição necessária mas não suficiente para progresso) tem que se sujeitar a essa discussão? Parece que sim, infelizmente.
O brasileiro paga muito caro por obras públicas, que acabam custando o triplo do que deveriam e demorando o quíntuplo do prazo estimado. E o povo reclama disso, com razão, vai às ruas protestar, grita, faz abaixo assinado. Qual é, então, o sentido de um sujeito pichar uma obra pública? Está ferindo o patrimônio público tal qual o político que desvia di…